domingo, 5 de abril de 2020

Ficar em casa? Sim, mas... qual casa?

Gevgelija, refugiados entram na República da Macedónia, 27 de Agosto de 2015. Foto: jmr 

Esta questão não se coloca para muitos, mas coloca-se certamente para outros tantos muitos. Para aqueles que não fazem a segunda pergunta, das duas que constituem o título deste texto, devemos admitir, como escreveu um dia destes no jornal Público, Faranaz Keshavjee, “(...) há guerras e guerras. E esta é uma que carrega muitos privilégios. Muitos. É só olhar (à volta)”. Aquilo a que nos obrigam é a um confinamento – porque será que há sempre uma palavra tão complicada para coisas tão simples? Bastaria dizer: estão obrigados a ficar em casa. Adiante. Ainda para aqueles que não fazem a segunda pergunta, das duas que fazem parte do título deste texto, interessa registar que, limitada a liberdade de movimentos, a “prisão” tem o aconchego da casa de cada um: família, tecto, cama, roupa lavada, livros e tecnologia, janela ou varanda com vista para rua, e umas saídas para as excepções conhecidas com as quais não vos vou maçar. Fazendo uma cedência à utilização da palavra “guerra” para caracterizar o que estamos a enfrentar, é uma guerra com muito conforto.

Agora, vamos aos que não podem deixar de fazer a segunda pergunta, das duas que constituem o título deste texto. Quem são e onde estão esses tantos muitos? E que resposta lhe pode ser dada.
Desde logo, por cá, os que vivem na rua; os que vivem em barracas a que chamam casa, onde se está pior do que na rua; os que não tendo mais nada para perder, viram cerceada a única coisa que tinham, a Liberdade.
Depois, noutras geografias, pensemos nos milhões de refugiados. Na Europa, há notícias da suspensão de programas de acolhimento e dos procedimentos de pedidos de asilo (na Alemanha, os serviços que tratam de 1,3 milhões de requerentes de asilo e de outros migrantes/refugiados, estão quase totalmente de portas fechadas; em França, Callais, a Agência France Press dá conta que cerca de 2.200 “migrantes” deixaram de receber ajuda alimentar porque as próprias ONG deixaram quase de ir ao terreno).

Depois, basta focarmo-nos na Grécia, onde a desgraça já era evidente, e na catástrofe que poderá acontecer se o coronavírus se propagar num dos campos de refugiados. Há dezenas de milhar de pessoas nos campos em toda a Grécia e já há casos confirmados. Pelo menos dois campos foram colocados em isolamento – entenda-se de portas fechadas e vigiados pela polícia. Este “isolamento” pode evitar que o vírus se propague para o exterior dos campos mas não resolve o problema a quem vive nos campos, sobrando uma pergunta: como se faz o distanciamento social em campos onde a sobrelotação é conhecida e o espaço é mínimo (por exemplo, o campo de Mória devia ter 3.000 pessoas e tem 20.000); como se mantêm medidas de higiene quando por vezes tudo falta, incluindo água (e sabão) e cuidados médicos – os Médicos Sem Fronteiras dizem que, no campo de Mória (Ilha de Lesbos), há três médicos para 20.000 pessoas? Como se faz distanciamento social se tudo é colectivo: pontos de água, duches, casas de banho?

Ao contrário dos que não chegam a fazer a segunda pergunta, das duas que constituem o título deste texto, os refugiados não têm tecto, não têm roupa lavada, não têm o frigorífico abastecido, não têm água nem sabão. Até agora tinham-se uns aos outros no amparo das dificuldades. E após anos em que foram mantidos “uns em cima dos outros”, em espaços mínimos, pedem-lhes o impossível: que mantenham a distância. Pode ser o mote para alguma tirada de humorista, mas não passará disso. E certamente não provocará um sorriso a ninguém.

Como descreveu o jornal La Vanguardia, as recomendações da OMS são um luxo impossível no campo de refugiados de Moria, em Lesbos.

A União Europeia “empurrou com a barriga” a resolução do problema dos campos de refugiados na Grécia. Agora, soma um problema ao problema da pandemia. O Governo grego já admitiu que tem uma “bomba sanitária” nas mãos. Como habitualmente, as declarações dos responsáveis políticos pretendem levar-nos a acreditar que algo está a ser feito. Alguém acredita?


Pinhal Novo, 5 de Abril de 2020
josé manuel rosendo

Sem comentários:

Publicar um comentário